Existem vírus para Linux?

Os tais vírus para Linux só conseguiram contaminar máquinas que não tinham sido atualizadas para correção de segurança. Os administradores esquecidinhos ou atrasadinhos....
Neste artigo aqui você pode ver estas informações.
E olha que nesses 863 englobam toda ameaça automatizada contra o Linux, como root kits, worms e scripts para invasão. 
Um conceito muito mais abrangente do que usado na definição para windous*.

Este artigo foi escrito originalmente em junho de 2005. Em janeiro de 2008, um outro autor voltou ao tema, corroborando, revalidando e agregando novas informações.

Em julho de 2008, outro autor estudou o problema.

Mas se windows* já tem mais de 360 MIL vírus e ameaças de todo tipo, e todo dia surgem mais, por que tão poucos no Linux?

Alguns fatores combinados.

Você pode ler um pouco mais aqui. E aqui também.

  • Engenharia social
  • Arquitetura do sistema
  • Configurações do sistema
  • Comunidade de desenvolvedores e usuários
  • Modo de usar do sistema.

Engenharia social

A maioria dos spam e sites virulentos usa velhos truques para ATRAIR os usuários a fazer alguma coisa, como ler email (só ler já pode contaminar no windous*), abrir um anexo, visitar um site (sim, você pode contaminar a máquina enquanto fica babando por aquela foto gostosona num site).
Apelam para instintos básicos, como medo (será que levanta agora?), insegurança (será que é pequeno?), luxúria (gostooosa!), ganância (fique rico sem fazer nada), etc.

Arquitetura do sistema

No Linux, Unix e outros, o projeto é diferente. Se levou segurança em consideração desde a idealização, conceito inicial. Assim, é muito mais difícil inventar vírus para eles. E quando se consegue, espalham-se muito menos, pelos outros fatores.
Não existe sistema inexpugnável.

Configurações do sistema

No Debian GNU / Linux, no FreeBSD, no Unix, e em um grau um pouco menor nas outras grandes distribuições linux, as configurações default seguem um conceito básico:

Tudo está fechado, nada é permitido até que o administrador autorize.

Quanto mais aberto e mais permitido ficam as configurações, mais "fácil" é a distribuição. 
Chega ao extremo do Kurumin, derivado do Knoppix, e Linspire que são configurados com quase tudo liberado totalmente, o que os torna quase tão "fáceis" e inseguros quanto windous*.
Adianta comprar um cofre e colar na porta um Post-It* com a combinação?

Aliado a configurações default mais seguras, dificilmente os sistemas são configurados exatamente iguais.

Comunidade de desenvolvedores e usuários

Um dos sustentáculos do Linux é uma comunidade forte.
E o Debian tem uma das mais fortes e participativas comunidades de desenvolvedores e usuários. Sim, usuário informado é valioso.
A rápida troca de informações viabiliza reações e soluções rápidas, minimizando danos.
Existe uma equipe formal de segurança.
Bug reports são levados muito a sério, rapidamente e às claras.

Modo de usar o sistema

O Linux implementa totalmente o conceito de usuário e permissões e deve ser usado assim.
Um usuário pode fazer determinadas coisas, usar determinados programas, ter acesso a determinados arquivos.
Até mesmo os programas funcionam dentro de um ambiente de usuário.
Isso torna mais "difícil" a configuração (precisa autorizar explicitamente) e o "uso" (se não foi autorizado, não pode).
Algumas distribuições, com já citado, deturpam esse conceito, para "facilitar", mas aumentando o risco de segurança demais.

No modo correto de uso, fica intrinsecamente limitado o tipo e a extensão de danos que um vírus ou invasor pode causar.

Esse conjunto de fatores também leva ao fato de que a quase totalidade dos ataques a máquinas linux seja MANUAL.
O atacante normalmente usa algumas ferramentas para examinar a máquina, tentando descobrir que portas estão abertas, e quais programas e versões estão operando. Procura principalmente versões desatualizadas e ou inseguras.
Aí geralmente ele cruza dados numa matriz de ataque, e decide que ferramentas usar e envia comandos e ou scripts e verifica que tipo de benefícios ele poderá ter.
Embora seja mais complexo que isso, você já notou que é uma situação diferente, com soluções diferentes também.

Usuários comuns estão em perigo?

Ao ler este artigo aqui você ficará horrorizado de como os usuários são parte importante do problemão que se tornaram os vírus no windous*.
E horrorizado de como o fabricante aborda o problema.
Inevitavelmente, sempre você, o usuário ficará com o prejuízo e os custos dos remendos.

Um ditado corrente entre os administradores de informática é de que não há nada mais perigoso que um usuário inocente e ingênuo.
Por isso que distribuições linux mais preocupadas com segurança, como o Debian se preocupam em configurar e funcionar protegendo o usuário dele mesmo.
Pode até ficar um pouco mais "difícil" ou trabalhoso no início, para autorizar explicitamente o que você quer fazer.
Mas os ganhos ao longo prazo são plenamente compensadores.

Para usuários muito assustados com segurança tem solução?

Se bancos e até os computadores do Pentágono já foram invadidos, o que se pode fazer?
Para os realmente apavorados com segurança, ou que têm dados extremamente sensíveis, podem analisar oDebian com as modificações não triviais (2) SELinux ( Security Enhanced Linux) criadas pela NSA (National Security Agency).
Esses são paranóicos com segurança.
Veja na página citada PORQUE escolheram Linux.

Por que, então, existem programas antivírus para Linux?

O Linux é muito usado como servidor de arquivos, de impressão, de email, firewall, proxy, web, intranet, internet, extranet, e até de aplicação (1) para redes de clientes windous*.
Assim, muitos arquivos e tráfego windous* passam por dentro dele.
Portanto, é um bom local para instalar um programa antivírus para limpar arquivos e tráfego, para proteger a si e aos clientes windous*.